quinta-feira, 19 de agosto de 2010

A Beleza de Ipoméia

Élder Paulo R. Grahl - Segundo Conselheiro na Presidência da Área Brasil Sul (Março/2006)

Élder Paulo R. Grahl

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias estabeleceu-se no Brasil de um modo singelo e, ao mesmo tempo, milagroso. Um breve resumo de sua história diz:

"O primeiro membro da Igreja conhecido no Brasil foi Max Richard Zapf, que foi batizado na Alemanha em agosto de 1908 e imigrou ao Brasil em 1913. após muitos anos sem contato com a Igreja, Max Zapf e sua família souberam que Augusta Kuhlmann Lippelt e seus quatro filhos, que também se haviam filiado à Igreja na Alemanha, antes de imigrarem para o Brasil em 1923, estavam vivendo na pequena cidade de Ipoméia, no sul do Brasil. Roberto, o marido de Augusta, embora não sendo membro quando se mudou com sua família para o Brasil, foi batizado vários anos mais tarde. A família Zapf logo mudou a sua residência para estar com os seus novos amigos, a família Lippelt. Essas duas famílias representaram o início da presença permanente da Igreja no Brasil" (2006 Church Almanac, p. 301).

A pequena comunidade mórmon de Ipoméia floresceu e prosperou, com a adesão de várias outras famílias, que representaram as raízes para o sólido estabelecimento da Igreja em nossa terra. Um dos descendentes daqueles primeiros pioneiros foi meu querido amigo Frederico Blind, falecido em 2005, enquanto servia como bispo da Ala Navegantes, Estaca Vale do Itajaí. A pequena capela de Ipoméia acaba de ser renovada e embelezada, tendo sido mantido o seu aspecto original. Ela representa um marco de fé e perseverança de muitos bons irmãos e irmãs daquela bela região catarinense.

Meses atrás, aprendi o significado do termo Ipoméia (ou Ipoméa). Trata-se de uma linda flor, de nome nativo indígena, de vegetação rasteira, que cresce à beira das estradas ou rios, possuindo uma beleza angelical, de cor branca, azul ou lilás.

Durante anos, apreciei a beleza dessa flor, sem conhecer-lhe o nome. Uma característica que me chamou a atenção em relação à flor é que, quando cortada a sua raiz, tanto as folhas como as flores imediatamente murcham e se fecham.

A partir dessa definição, Ipoméia passou a ser para mim mais que o berço da Igreja no Brasil, um símbolo, que alerta para a necessidade de criarmos e mantermos firmes e fortes raízes no evangelho, se desejarmos conservar a beleza de nossa família, de nossos filhos, de nosso lar e de nossa congregação.

Onde são plantadas e conservadas essas raízes? Com certeza, elas estão:
# No testemunho individual de cada membro da Igreja, seja criança, jovem ou adulto;
# Na preservação e no fortalecimento de nosso lar e de nossa família, por meio de coisas simples e eficazes como a noite familiar, o estudo das escrituras, a oração familiar, as tradições familiares;
# Na virtude e na castidade de nossos belos jovens, os quais se esmeram por ficar longe do pecado e da maldade;
# Na freqüência regular ao templo, onde solenizamos nosso casamento eterno e trabalhamos de maneira incansável para proporcionar as bênçãos das sagradas ordenanças aos nossos antepassados;
# Na pregação do evangelho, onde se unem a força e a fé dos valorosos missionários e dos dedicados membros da Igreja;
# No serviço fiel, voluntário e diligente dos membros e líderes, servindo com alegria nos mais diferentes chamados;
# Na fidelidade aos mandamentos do Senhor, inclusive a lei do dízimo, que é um dos maiores indicativos de nossa consagração ao Senhor e a Sua grandiosa causa.

A criação e a conservação de sólidas raízes deve merecer por parte de pais e líderes a melhor atenção, especialmente numa era a que chamamos "final dos tempos" e onde visualizamos o iminente cumprimento da severa advertência de Malaquias:

"Porque eis que aquele dia vem ardendo como forno; todos os soberbos e todos os que cometem impiedade serão como palha; e o dia que está para vir os abrasará, diz o Senhor dos Exércitos, de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo" (Malaquias 4:1 - grifo do autor).

Temos, felizmente, o conforto de uma outra grande promessa do mesmo profeta Malaquias:

"Eis que eu vos envio o Profeta Elias, antes que venha o dia grande e terrível do Senhor; e converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha e fira a terra com maldição" (Malaquias 4:5-6).

Temos certeza de que Elias já veio e restaurou as chaves do sacerdócio, por meio das quais temos acesso às vitais ordenanças salvadoras, possibilitando-nos plantar firmes e fortes nossas raízes e mantermos a beleza de nossas... Ipoméias!

Nenhum comentário:

Postar um comentário