sábado, 28 de agosto de 2010

Coragem para Crer

Élder Walter F. Gonzáles - Primeiro Conselheiro na Presidência da Área Brasil Norte (Fevereiro/2007)

Élder Walter F. Gonzáles

A Família — Proclamação ao Mundo nos ensina que “a felicidade na vida familiar é mais provável de ser alcançada quando fundamentada nos ensinamentos do Senhor Jesus Cristo”. Essa proclamação apresenta princípios e ensinamentos que nos ajudam a fundamentar nossa vida no Salvador. Um desses princípios é a fé.

No Velho Testamento, vemos a história de Elias e a viúva de Sarepta. A história mostra a coragem da viúva ao crer nas palavras do profeta. Essa coragem é um exemplo de como podemos exercitar nossa fé. A escritura diz que o profeta foi para Sarepta e, na entrada da cidade, encontrou-se com a viúva que estava apanhando lenha. Elias “a chamou, e lhe disse: Traze-me, peço-te, num vaso um pouco de água que beba. E, indo ela a trazê-la, ele a chamou e lhe disse: Traze-me agora também um bocado de pão na tua mão”.

O pedido era demasiado para ela, que respondeu explicando a sua situação: “Vive o Senhor teu Deus, que nem um bolo tenho, senão somente um punhado de farinha numa panela, e um pouco de azeite numa botija; e vês aqui apanhei dois cavacos, e vou prepará-lo para mim e para o meu filho, para que o comamos, e morramos”. O profeta respondeu com um pedido e uma promessa: “Não temais; vai, faze conforme à tua palavra; porém faze dele primeiro para mim um bolo pequeno, e traze-mo aqui; depois farás para ti e para teu filho.” Então ele fez a promessa: “Porque assim diz o Senhor Deus de Israel: A farinha da panela não se acabará, e o azeite da botija não faltará até ao dia em que o Senhor dê chuva sobre a terra”.

Imaginem como nós reagiríamos, face a uma circunstância semelhante. Será que acreditaríamos nas palavras do profeta e nas promessas de Deus? Teríamos coragem para crer? A viúva teve. O relato bíblico diz que ela fez conforme fora instruída pelo profeta e, com isso, também aprendemos que as promessas se cumpriram. “E assim comeu ela, e ele, e a sua casa muitos dias. Da panela a farinha não se acabou, e da botija o azeite não faltou; conforme a palavra do Senhor, que ele falara pelo ministério de Elias” (I Reis 17:10-16).

Com a restauração do evangelho, temos o conhecimento da doutrina e dos princípios que os antigos também conheceram. Uma das coisas que conhecemos de Deus é que Ele não pode mentir. Mahonri Moriancumer conhecia esse atributo de Deus. Quando o Senhor lhe perguntou: “Crês nas palavras que eu direi? [E] ele respondeu: Sim, Senhor, eu sei que falas a verdade, porque és um Deus de verdade e não podes mentir”. Em Doutrina e Convênios, o próprio Senhor declarou: “Eu, o Senhor, prometo aos fiéis e não posso mentir” (D&C 62:6). Isso significa que quando o Senhor faz uma promessa, vai cumpri-la. Nós precisamos ter coragem para crer, tal como fez a viúva de Sarepta.

O temor muitas vezes priva o cumprimento de promessas feitas. Em D&C 67:3 aprendemos: “Esforçastes-vos para crer que receberíeis a bênção que vos fora oferecida; mas eis que em verdade vos digo que havia temores em vosso coração e, em verdade, esta é a razão por que não a recebestes”. Para vencer esses temores, temos de ter coragem para crer.

As ordenanças, a palavra de Deus proferida pelos profetas nas escrituras e pelos profetas vivos, bem como os convênios que fazemos estão cheios de promessas. Temos coragem para crer nessas promessas? Podemos demonstrar essa coragem pagando os dízimos integralmente, seguindo os conselhos do Presidente da Igreja e cumprindo muitos outros princípios. Por exemplo, os jovens acreditam na promessa de adquirir sabedoria buscando o maior grau de escolaridade possível. O Presidente Gordon B. Hinckley declarou: “Vocês pertencem a uma Igreja que prega a importância da educação. Vocês receberam o mandamento do Senhor de educar a mente, o coração e as mãos (…) Ele deseja que vocês treinem a mente e as mãos para que sejam uma influência positiva ao longo da vida. E ao fazerem isso, ao agirem com honradez e excelência”, o profeta de Deus promete, “trarão honra para a Igreja, pois serão respeitados como homens ou mulheres de integridade, capacidade e competência. Sejam inteligentes. Não sejam tolos. Vocês não podem enganar nem iludir as pessoas nem a si mesmos” (“Conselhos e Oração do Profeta para os Jovens”, A Liahona, abril de 2001, p. 34).

Finalmente, poderíamos evidenciar se temos coragem para crer nas promessas feitas pelo Salvador em Seu grande sacrifício expiatório. Muitas pessoas acham que já fizeram de tudo para serem perdoadas, mas de alguma forma ainda não sentem esse perdão. Alma, o filho, é um exemplo de como a Expiação é o meio pelo qual o peso do fardo é retirado de cada um de nós. Realmente temos coragem para crer na Expiação e em seus efeitos, em todos os dias de nossa vida? Alma sentiu que “estava sendo assim atormentado e (…) estava perturbado pela lembrança de tantos pecados”. Nesse momento, ele relata: “Eis que me lembrei também de ter ouvido meu pai profetizar ao povo sobre a vinda de um Jesus Cristo, o Filho de Deus, para expiar os pecados do mundo” (Alma 36:17).

Ao lembrar os ensinamentos que tinha recebido, Alma teve coragem para crer. Ele acreditou nos ensinamentos sobre a Expiação, fazendo dela uma coisa real em sua vida. “Ora, tendo fixado a mente nesse pensamento, clamei em meu coração: Ó Jesus, tu que és Filho de Deus, tem misericórdia de mim que estou no fel da amargura e rodeado pelas eternas correntes da morte” (Alma 36:18).

Ao fazer da Expiação uma realidade em sua vida, Alma recebeu os benefícios das promessas contidas na doutrina de como o Salvador pode ajudar-nos, dia após dia. Ele contou a seu filho Helamã: “E então, eis que quando pensei isto, já não me lembrei de minhas dores; sim, já não fui atormentado pela lembrança de meus pecados”. E, então, a promessa aconteceu: “E oh! que alegria e que luz maravilhosa contemplei! Sim, minha alma encheu-se de tanta alegria quanta havia sido minha dor” (Alma 36:19–20).

Ter coragem para crer, tal como no episódio da viúva de Sarepta, pode fazer uma grande diferença em nossa vida. O Salvador ensinou-nos que ter coragem para crer é um mandamento, ao indicar ao principal da sinagoga: “Não temas, crê somente” (Marcos 5:36).

Eu sei que o Salvador é um Deus que não pode mentir, e que as Suas promessas sempre se cumprem, “seja pela [Sua própria] voz ou pela de [Seus] servos, é o mesmo” (D&C 1:37–38).

É uma grande benção termos o evangelho da esperança, que possibilita que nossa vida seja grandemente abençoada, para sermos cada vez melhores diante dos olhos do Senhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário