segunda-feira, 20 de setembro de 2010

A Caridade

Élder Pedro J. C. Penha - Segundo Conselheiro na Presidência da Área Brasil Norte (Julho/2005)

Élder Pedro J. C. Penha

O que é a caridade? É a maior de todas as virtudes.
Mórmon nos diz: “Portanto, apegai-vos à caridade, que é, de todas, a maior (...) é o puro amor de Cristo”. A caridade vem de dentro do coração. Quando temos caridade, enchemo-nos de sentimentos bons por todas as pessoas. Podemos observar algumas características que se fazem presentes naqueles que são possuidores dessa virtude:

Bondade. É a capacidade de continuar dando amor, mesmo quando nos sentimos sós, magoados ou frustrados. A pessoa bondosa é compreensiva e gentil com as outras. Tem consideração pelos sentimentos alheios, é capaz de perdoar as fraquezas e faltas alheias. Possui uma natureza solícita, seja com os idosos ou os jovens, com os pouco favorecidos, ou os mais favorecidos. Até com os animais tem uma atitude de gentileza!

Não tem inveja. O Senhor ordenou “que (…) não [tenhamos] inveja”. (2 Néfi 26:32) Todos os dias, enfrentamos situações nas quais podemos invejar ou mesmo cobiçar alguma coisa que outra pessoa possui. Talvez invejemos sua casa, a boa condição financeira, talentos, habilidades, posição, ou até mesmo a vida familiar. Essa inveja pode consumir nossa alma. Se percebermos que estamos invejando algo ou alguma coisa, devemos buscar a ajuda de nosso Pai Celestial. Em Sua misericórdia, Ele nos abençoará com a capacidade de superarmos o poder destrutivo da inveja, e de nos alegrarmos com as bênçãos e oportunidades a nós concedidas.

Procura a retidão sem sentir orgulho. O Presidente Ezra Taft Benson disse: “O orgulho é, essencialmente, encarar a vida com atitude de ‘minha vontade’ em lugar de ‘Tua vontade’”. Mas existem outras formas de orgulho. Uma delas é quando aceitamos reconhecimento por algo que não fizemos. Outra ocorre quando alguém culpa a Deus, quando as coisas vão mal em sua vida, mas atribui crédito a si mesmo, quando as coisas vão bem, ignorando o fato de que seus talentos, habilidades e bens materiais são dádivas de Deus.

Exemplo positivo. Todos nós temos oportunidade de ser bons exemplos: em casa, no trabalho, na escola, em nossa vizinhança ou na comunidade. Dar um bom exemplo significa também amar e respeitar os outros, tendo tolerância por suas crenças e respeito por seus sentimentos, opiniões, bens e seu tempo. Esse respeito demonstra que estamos preocupados com o próximo. A maneira como tratamos as pessoas mostra quem somos e em quê acreditamos. Pode ser um grande desafio amar outras pessoas, especialmente se elas nos magoam ou maltratam. O respeito e a tolerância andam de mãos dadas com a reverência pela própria vida. Podemos honrar e respeitar todos os filhos de Deus, assim como todas as Suas criações.

Evita a ira e a contenda. Muitos de nós às vezes nos sentimos frustrados ou impacientes; mas quando externamos esses sentimentos, zangando-nos com alguém, ofendemos o Espírito. Embora muitos de nós não tenhamos de enfrentar grandes perseguições, freqüentemente somos “provocados” por coisas pequenas. Rudeza, desobediência, espera, discórdias, decepções e expectativas frustradas podem irritarnos, especialmente se estivermos cansados, doentes ou com pressa. Nessas ocasiões, nosso primeiro sentimento pode ser de raiva. Podemos concentrar-nos em como controlar nossa raiva ou impaciência. Uma coisa que ajuda é respirar bem fundo, contar até dez, parar e pensar por um momento, antes de falar. Isso sempre funciona. A oração e o arrependimento curam igualmente nosso espírito, enchendo nosso coração de amor, quando buscamos ser mais semelhantes ao Salvador.

Virtude em pensamentos. Como distinguir os bons pensamentos dos maus? Morôni nos ensina que: “Aquilo que é de Deus convida e impele a fazer o bem continuamente; portanto, tudo o que convida e impele a fazer o bem e a amar a Deus e a servi-lo, é inspirado por Deus”. (Morôni 7:13) Para desenvolver a pureza mental, precisamos fazer mais do que rejeitar ou evitar pensamentos maus, negativos ou impuros. Precisamos também aprender a ter pensamentos virtuosos. As escrituras nos orientam na escolha daquilo em que devemos pensar: “Tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, (...) nisso pensai”. (Filipenses 4:8)
À medida que aprendermos a ter pensamentos virtuosos, nossa vida se encherá de virtude, e nos tornaremos mais semelhantes a Cristo.

Amor à verdade. Em D&C 93:37 lemos: “A luz e a verdade rejeitam o ser maligno”. Deuteronômio 32:4 nos diz que Deus é “a verdade e não há nele injustiça”. Quando a iniqüidade floresce, a verdade morre; quando a verdade floresce, a iniqüidade perde o poder. Para buscar a verdade e evitar a iniqüidade, devemos examinar nossas ações do dia-a-dia, como por exemplo, assistir a imagens de iniqüidade na televisão ou no cinema, ou procurá-las em livros e revistas.

A crítica também pode ser uma forma de iniqüidade. Podemos fazer muito para ressaltar a verdade que cada um de nós faz parte da família de Deus e, como tal, merece respeito e necessita de bondade. Quando elogiamos mais freqüentemente, quando oramos reconhecendo as contribuições individuais, mesmo que pequenas, podemos nos tornar mais positivos e menos críticos. O hábito de falar mal ou comentar os pecados ou imperfeições de outras pessoas afasta-nos de Deus e pode até mesmo nos impedir de amar e ter amizade por aqueles que mais precisam de amor e amizade. Quando buscamos a verdade, aprendemos a sentir caridade por todos os nossos irmãos e irmãs.

Compaixão, humildade, coragem e fé. Vivemos num tempo em que, como o Senhor predisse, o coração dos homens falharia, não só fisicamente, mas em espírito. Satanás está se esforçando cada vez mais para vencer os santos, instilandolhes desespero, desânimo, desalento e depressão, comentou o Presidente Benson na A Liahona de março de 1987, “Não Se Desespere”, p. 2. Não devemos ser sobrepujados por nossas provações. Elas, de fato,
podem ensinar-nos humildade, fé, coragem e compaixão, ajudandonos, no final das contas, a nos tornar mais semelhantes a Cristo. É necessário ter muita fé para perseverar até o fim, e confiar no Senhor, apesar das dores, do desânimo, sofrimento ou perseguição. A caridade é o coração do Evangelho. Aprender a ser como o Salvador deve ser nosso principal objetivo.

Desenvolver um amor cristão exige tempo e paciência. Em nossa tentativa de desenvolver a caridade, o exemplo do Salvador pode nos dar orientação. Seu amor não conhece restrições. Ele observou as necessidades dos outros e os alimentou, curou, confortou, e abençoou. Em Seu grande amor por nós, expiou pelos pecados do mundo todo, tornando a imortalidade e a vida eterna possível para cada um de nós. De todos os atributos da divindade, a caridade é o que devemos buscar com maior fervor. A caridade é mais que amor, muito mais; é um amor eterno, perfeito, o puro amor de Cristo, que perdura para sempre. Que possamos ser motivados por esse amor em nossas ações diárias, é o meu desejo e minha busca, que compartilho com meus amigos e irmãos em Cristo.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Fórmula de Amor

Élder Walter F. Gonzáles - Primeiro Conselheiro na Presidência da Área Brasil Norte (Dezembro/2005)

Élder Walter F. Gonzáles

A época do Natal é linda!(Mas ainda não é dezembro) É o momento no qual nos aproximamos mais de nossos familiares, para comemorar o nascimento do Salvador. É o período do ano no qual, para a maioria, o amor pode ser sentido no ar, e nosso desejo de estender a mão e servir aos que nos cercam aumenta. Ao nos lembrarmos do nosso Salvador e Redentor, nosso amor por Ele cresce, juntamente com o amor por nosso próximo.

O Senhor deixou-nos uma fórmula pela qual o amor que sentimos pelas pessoas e por nós mesmos aumentará. Essa fórmula também explica o grande espírito de amor que caracteriza esse precioso feriado. Jesus afirmou:

"Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo" (Mateus 22:37-39).

Amar o Senhor nosso Deus de todo o coração, alma e pensamento, esse é o primeiro e grande mandamento. Amar nosso próximo como a nós mesmos vem logo após esse grande mandamento. Ele depois especifica: "Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas" (Mateus 22:40). À medida que aumenta o amor que temos pelo Salvador, nosso amor pelo próximo e por nós mesmos também aumenta. Ao aumentar o amor por Cristo, estaremos inclinados a ser mais semelhantes a Ele, a estudar Sua vida, a nos aproximarmos Dele, sentir o Seu amor e a aumentar nosso amor por nós mesmos e por Seus outros filhos.

O Élder Henry B. Eyring, do Quórum dos Doze Apóstolos, disse: "Quando as pessoas têm o Espírito Santo consigo, pode-se esperar que haja harmonia" (A Liahona, julho de 1998, p. 74). A ausência de contendas entre o povo, citada em 4 Néfi 1:15, é explicada como sendo uma conseqüência do amor de Deus existente no coração de cada um. Quando eles se voltaram para o Salvador, tendo consigo a companhia do Espírito, as contendas diminuíram, e a harmonia aumentou.

Ao nos aproximarmos mais de Cristo, sentiremos o Seu amor, o que por sua vez aumentará o amor por nosso próximo. Em Alma 13:28, Alma nos ensina que ao nos humilharmos diante do Senhor, voltando-nos para Ele continuamente, seremos guiados pelo Espírito, tornando-nos cheios de amor e tendo o amor de Deus sempre em nosso coração.

A experiência de Alma, o filho, ilustra o vigoroso efeito de voltarmos o coração para Cristo. Até centralizar sua vida em Cristo, ele não sentia o desejo de compartilhar o evangelho com outras pessoas. Mas quando se voltou para o Salvador, seu desejo de servir aos outros aumentou. Sentiu uma alegria que era mais doce e bela que qualquer outra coisa. E desde aquele momento até sua morte, trabalhou incessantemente para trazer pessoas a Cristo, para que elas também pudessem experimentar a alegria que ele mesmo tinha sentido. Ao centralizar a vida em Cristo, seu desejo pelo bem-estar dos outros aumentou.

Quando centralizamos nossa vida em Cristo, tornamo-nos pessoas mais caridosas, participamos do puro amor de Cristo e sentimos uma porção desse mesmo tipo de amor em relação a outros; um amor tão profundo que levou Cristo a abrir mão da própria vida em benefício de cada um de nós. Ele nos ama. Ele compreende nossas aflições. Ele conhece nossas enfermidades. Ele conhece nossas dores físicas e espirituais. Seus braços estão estendidos para nós, e Ele nos promete que, ao nos aproximarmos Dele, Ele Se aproximará de nós.

Testifico que nossa alma é curada e elevada quando centralizamos nossa vida em Cristo, e oro para que o sentimento de amor que emana dessa aproximação a Deus esteja presente em nosso lar durante a época do Natal e permaneça durante o ano vindouro. Que possamos nos lembrar do grande sacrifício expiatório que Ele fez por nós, pois Ele ama cada um de nós. Que nosso coração se encha do puro amor de Cristo, é minha sincera oração.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

“Ele Não Está Aqui, Porque Já Ressuscitou”

Élder Stanley G. Ellis - Primeiro Conselheiro na Presidência da Área Brasil Norte (Abril/2007)

Élder Stanley G. Ellis

A história mostra com clareza que Jesus Cristo morreu na cruz e que o Seu corpo foi colocado no sepulcro de José de Arimatéia. Até mesmo os líderes judaicos e o governante romano, Pilatos, sabiam disso, porque resolveram colocar guardas no túmulo, para evitar que os discípulos de Cristo retirassem o corpo. Os judeus efetivamente colocaram esses guardas.

Imaginem quão surpresos ficaram todos, quando o anjo anunciou às Marias, “Ele não está aqui, porque já ressuscitou” (Mateus 28:6). Ele também as convidou a verificar, para certificarem-se de que o túmulo estava vazio!

Qual é o significado do túmulo vazio?
O túmulo vazio é a prova de que Cristo vive! Jesus Cristo não era só um homem bom, um Mestre importante, um visionário à frente de seu tempo; tampouco era um coitado, um embusteiro ou um subversivo. Ninguém assim teria poder sobre a morte, e, se por acaso fosse crucificado, estaria morto até hoje. Porém, Cristo vive!

O túmulo vazio confirma a história do nascimento de Jesus, que celebramos sempre no Natal. “Uma virgem concebeu e deu à luz um filho (Isaías 7:14). Ele é o filho “Unigênito do Pai” (D&C 76:23). Ele nasceu em Belém, foi visitado pelos pastores e por homens sábios, e foi anunciado por anjos como “o filho do Altíssimo”, “o Salvador, que é Cristo, o Senhor” e “as novas de grande alegria” (Lucas 1:32, 2:10–11).

O túmulo vazio reafirma a importância do caminho que Ele nos mostrou, e da verdade contida nas palavras que nos deixou. “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (João 14:6). “Porque a porta pela qual deveis entrar é o arrependimento e o batismo com água; e recebereis, então, a remissão de vossos pecados pelo fogo e pelo Espírito Santo. E estareis então no caminho estreito e apertado que conduz à vida eterna; (…) Deveis pois prosseguir com firmeza em Cristo, tendo um perfeito esplendor de esperança e amor a Deus e a todos os homens. Portanto, se assim prosseguirdes, banqueteando-vos com a palavra de Cristo, e perseverardes até o fim, eis que assim diz o Pai: Tereis vida eterna. (…) Eis que este é o caminho; e não há qualquer outro caminho ou nome debaixo do céu pelo qual o homem possa ser salvo no reino de Deus. E agora, eis que esta é a doutrina de Cristo …” (2 Néfi 31: 17–21)

O túmulo vazio indica que Jesus Cristo completou a Expiação. Ele sofreu no Getsêmani. “Sofrimento que fez com que eu, Deus, o mais grandioso de todos, tremesse de dor e sangrasse por todos os poros; e sofresse, tanto no corpo como no espírito — e desejasse não ter que beber a amarga taça e recuar — Todavia, glória seja para o Pai; eu bebi e terminei meus preparativos para os filhos dos homens” (D&C 19:18–19). Ele sofreu e morreu na cruz dizendo: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” (Lucas 23:46). E como já mencionado, naquela manhã maravilhosa Ele ressuscitou.

Assim, Ele derrotou a morte física e providenciou um meio pelo qual todos nós poderemos vencer a morte espiritual. No relato ao Pai, disse: “Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer” (João 17:4).

O túmulo vazio também preparou o caminho para a restauração do evangelho nestes últimos dias. O Cristo ressuscitado pôde acompanhar o Pai e responder à oração do jovem Joseph Smith, em outra manhã maravilhosa. A partir daí, iniciou-se a dispensação da plenitude dos tempos, que logo resultou na organização de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e no começo desta grande obra em preparação para a Segunda Vinda do Senhor Jesus Cristo.

Graças damos a Deus que o túmulo estava vazio!

O túmulo vazio é uma evidência física das verdades espirituais, isto é, de todas as coisas maravilhosas que fazem parte de nossa fé no Senhor Jesus Cristo.

Agora, o Cristo vivo nos convida: “Vinde a mim, todos que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas” (Mateus 11:28–29).

O apóstolo Pedro nos alertou: “Estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (I Pedro 3:15). Uma grande parte da razão de nossa esperança foi dita pelo anjo: “Ele não está aqui, porque já ressuscitou”! O túmulo estava vazio!

A Síster Ellis e eu conhecemos o Jardim, lá em Jerusalém, e o túmulo que, presume-se, é o local onde sepultaram o corpo de Jesus Cristo. Entramos e verificamos que realmente está vazio.

A melhor parte das verdades espirituais são os sussurros do Espírito, testificando a cada um de nós que Deus vive; que Jesus é o nosso Salvador; que esta é a Igreja verdadeira; que o Livro de Mórmon é verdadeiro; que Joseph Smith foi um profeta de Deus; e que Gordon B. Hinckley é um profeta vivo, hoje. Nosso testemunho é uma verdade espiritual. E, como vocês, recebi esse testemunho por intermédio do Espírito.