sábado, 30 de outubro de 2010

formspring.me

Ask me anything http://formspring.me/Maxximus1

terça-feira, 26 de outubro de 2010

A Maneira do Senhor É Melhor que a Maneira do Mundo

Élder Stanley G. Ellis - Primeiro Conselheiro na Presidência da Área Brasil (Outubro/2009)

Há muitos que querem e tentam ajudar os necessitados. Pessoas de boa vontade e generosidade dedicam tempo e dinheiro nesse empenho. Muitas fundações gastam milhões, e governos estabelecem impostos e orçamentos para acabar com a pobreza. A maioria das igrejas inclui atividades caritativas em seu programa. Por fim, bilhões e bilhões são gastos para aliviar o sofrimento.

O rei Benjamim, no Livro de Mórmon, ensinou-nos que devemos, todos nós, ser generosos com o que Deus nos deu e ajudar os necessitados. Ele nos admoestou que é importante “(…) para [conservarmos] a remissão de [nossos] pecados, dia a dia (…) que [repartamos nossos] bens com os pobres, cada um de acordo com o que possui (…) E [vejamos] que todas estas coisas sejam feitas com sabedoria e ordem (…) (Mosias 4:26–27).

As escrituras nos trazem o relato de períodos em que o povo teve grande sucesso em cuidar dos necessitados, como o da Cidade de Enoque: “E o Senhor chamou seu povo Sião, porque eram unos de coração e vontade e viviam em retidão; e não havia pobres entre eles” (Moisés 7:18; ver também 4 Néfi 1:2–3).

O que significa “coisas feitas com sabedoria e ordem”? Qual é o segredo de doar de modo a alcançar sucesso? Existe alguma forma de cuidar dos necessitados “em retidão”, à maneira do Senhor?

A Lei do Jejum
A maneira do Senhor se baseia na Lei do Jejum. O jejum, na verdade, fortalece-nos fisicamente. Faz bem para o corpo. No mundo moderno, tendemos a ser um povo glutão: comemos em demasia. O jejum também nos ajuda a desenvolver mais autocontrole.

Somos fortalecidos espiritualmente pelo jejum. Isaías nos ensinou que o Senhor escolheu o jejum que “solte as ligaduras da impiedade, que desfaça as ataduras do jugo e que deixe livres os oprimidos, e despedace todo o jugo”. E logo a seguir, o Senhor promete: “Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do Senhor será a tua retaguarda. Então clamarás, e o Senhor te responderá; gritarás, e ele dirá: Eisme aqui” (Isaías 58:6, 8–9).

O Salvador ensinou a Seus discípulos que o jejum acrescenta poder a suas orações ao terem de lidar contra o mal (ver Mateus 17:21). Foi o jejum que deu mais poder e autoridade aos filhos de Mosias durante sua missão entre os lamanitas (ver Alma 17:2–3).

As Ofertas de Jejum Proveem aos Necessitados
Na Igreja do Senhor, jejuamos uma vez por mês no “Domingo de Jejum”, deixando de comer e de beber por duas refeições (24 horas). Então, fazemos a doação à Igreja no valor correspondente a essas duas refeições, como oferta de jejum. O fundo assim composto é usado pelo bispo ou pelo presidente do ramo para ajudar os pobres e necessitados, à maneira do Senhor. Uma vez que só doamos aquilo que economizamos por não ter comido duas refeições, a oferta de jejum não nos acrescenta nenhum gasto extra. Dessa forma, todos podem e devem participar da doação das ofertas de jejum.

Mesmo o membro que tem poucas posses pode ajudar outras pessoas doando somente o valor que teria gastado. Ajudar os necessitados gera um bom sentimento. Os membros que têm mais condição podem fazer ofertas mais generosas (o Presidente Kimball sugeriu “muito mais” para aqueles que têm mais recursos). Aqui no Brasil, deveríamos ter 100% de participação na doação de ofertas de jejum.

O fundo das ofertas de jejum, destinado a ajudar os necessitados, é usado exclusivamente para dar assistência. Não há despesas administrativas, não é gerado nenhum gasto administrativo. Que modo maravilhoso de prover o necessitado! Os que doam são abençoados física e espiritualmente por jejuar, sem nenhuma despesa extra. Quando os que recebem são ajudados à maneira do Senhor, são abençoados com sustância, o essencial para a vida, mas também com mais esperança, fé, confiança e amor por seu Senhor e pelos santos ao seu redor.

À Maneira do Senhor
Quando fazemos as coisas à maneira do Senhor, todos os envolvidos são abençoados. Se isso é feito de outra maneira, não temos promessa alguma. Nesse contexto, o alicerce para a maneira do Senhor é que cada um de nós seja material e espiritualmente autossuficiente. A autossuficiência é definida como a capacidade, compromisso e esforço de suprir as nossas necessidades vitais e as de nossa família.
Élder Stanley G. Ellis - Primeiro Conselheiro na Presidência da Área Brasil (Outubro/2009)

Podemos ser autossuficientes. Para isso, precisamos assumir o controle de nossos rendimentos e de nossos gastos. No lado dos rendimentos, o Senhor declarou “(…) há bastante e de sobra (…) (D&C 104:17; ver também 14–18). No Brasil, a maior economia da América Latina e uma das maiores do mundo, há trabalho honesto para aqueles que trabalham com afinco e estão sempre aprendendo, estudando e se aperfeiçoando. Ao recebermos uma quantia, primeiro pagamos nosso dízimo honestamente e fazemos nossa generosa oferta de jejum, a fim de que o Senhor nos abençoe para recebermos mais.

Do lado dos gastos ou despesas, precisamos “disciplinar nossos sentimentos” quanto ao que é desejo e ao que é necessidade. O padrão do Senhor é “suficiente para nossas necessidades” e é descrito pelo Élder Robert D. Hales como viver previdente — viver dentro de nosso orçamento (gastar menos do que recebemos), preparando-nos para os altos e baixos da vida economizando para emergências, usando os recursos sabiamente e não sendo perdulários, evitando dívidas em excesso e contentando-nos com o que temos. A Primeira Presidência enfatizou recentemente esses princípios e deu-nos como referência os livretos “Preparar Todas as Coisas Necessárias”.

Nenhuma dessas coisas é fácil. Na verdade, são difíceis. O Senhor nunca nos prometeu que seria fácil, mas sim que seria possível e que valeria a pena.

Ajudar à Maneira do Senhor
Finalmente, o bispo ou o presidente do ramo deve auxiliar os necessitados à maneira do Senhor, também. O princípio básico é ajudarmos as pessoas a ajudar-se a si mesmas. Elas devem assumir a responsabilidade de fazer tudo o que puderem com a ajuda da própria família. Os líderes ajudam a manter a vida, não o estilo de vida. A ajuda das ofertas de jejum é temporária. Aos que recebem ajuda é dada a oportunidade de trabalhar pelo que estão recebendo, dentro de sua capacidade. Dessa forma, o necessitado é fortalecido e capacitado.

O Presidente Ezra Taft Benson comparou, certa vez, a maneira do Senhor à maneira do mundo. “O mundo age de fora para dentro; o Senhor age de dentro para fora. O mundo procura tirar as pessoas da favela; Cristo tira a favela das pessoas e, depois, elas mesmas se retiram da favela. O mundo molda os homens modificando seu ambiente; Cristo modifica os homens, que por sua vez, modificam seu ambiente. O mundo molda o comportamento humano, mas Cristo pode mudar a natureza humana”.

O Presidente J. Reuben Clark disse que o objetivo de longo prazo do plano de bem-estar (do Senhor) é a edificação do caráter nos membros da Igreja, doadores e recebedores (citado em Providing in the Lord’s Way, prefácio).

Como testemunha especial, testifico-lhes que a maneira do Senhor é melhor que a maneira do mundo. A maneira do Senhor abençoa todos os envolvidos. Se isso for feito de outra maneira, não temos promessa alguma.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Ouvir a Voz do Mestre

Élder Jairro Mazzagardi - Segundo Conselheiro na Presidência da Área Brasil (Setembro/2010)

Élder Jairro Mazzagardi

Através dos tempos, o Senhor ensinou aos Seus Profetas um padrão de comunicação que conhecemos pelo nome de revelação. Buscar o Senhor e receber revelação é um padrão de comunicação entre Deus e Seus filhos. Mas parece que os homens sempre se esquecem de buscá-Lo.

O irmão de Jarede foi advertido pelo Senhor por não buscá-Lo, como está escrito no relato de Éter: "E aconteceu, no fim de quatro anos, que o Senhor tornou a aparecer ao irmão de Jarede; e estava numa nuvem e falou com ele. E pelo espaço de três horas falou o Senhor com o irmão de Jarede e repreendeu-o por não se ter lembrado de invocar o nome do Senhor" (Éter 2:14).

Se você acha que está entre aqueles que não têm feito muito bem a sua parte de comunicar-se com o Senhor, permita-me dar algumas sugestões que têm sido de grande valor para mim, e que irão aumentar a comunicação com o Senhor por meio da revelação.

Primeiro: Reserve tempo para estudar as escrituras e, ao se preparar para o estudo, ore ao Senhor pedindo compreensão, assim como Morôni nos ensina a orar com toda energia do nosso coração: "Portanto, meus amados irmãos, rogai ao Pai, com toda a energia de vosso coração, que sejais cheios desse amor que ele concedeu a todos os que são verdadeiros seguidores de seu Filho, Jesus Cristo" (Morôni 7:48, grifo do autor).

O que descobrimos quando pensamos no oposto pode nos levar a um grande aprendizado. A palavra verdadeiro é muito reveladora, porque o oposto de verdadeiro é falso. Então, pergunto: Estou sendo um verdadeiro seguidor de Jesus Cristo? Tenho orado com toda energia de meu coração? Tenho buscado diligentemente ouvir Sua voz? O estudo das escrituras em conjunto com a oração nos traz revelação, e a comunicação do Espírito Santo conosco faz com que compreendamos o que foi estudado.

Segundo: A maneira como me preparo para partilhar do sacramento é fundamental. A preparação começa no dia anterior, recolhendo-me mais cedo, deixando todas as coisas temporais prontas para não perder o foco na santificação do Dia do Senhor, acordando mais cedo para chegar à capela com tempo de me concentrar e permitir que o Espírito me ensine enquanto ouço o prelúdio. Durante a benção e a distribuição do sacramento, oro com fé para renovar os convênios que fiz ao me batizar e sinto verdadeira gratidão pelo sacrifício de Jesus Cristo em meu favor, prometendo-Lhe que serei melhor do que fui na semana que passou.

Terceiro: Quando vou ao templo, preparo-me antes de pisar naquele solo sagrado. Oro para que o Senhor ilumine meu entendimento e aumente minha compreensão e, ao entrar na Casa do Senhor, faço-o com o coração aberto para o aprendizado.

Seria bom utilizarmos o padrão que o Senhor deu aos nefitas quando visitou este continente:

"Portanto ide para vossas casas, meditai sobre as coisas que eu disse e pedi ao Pai, em meu nome, que as possais entender; e preparai a mente para amanhã e eu virei a vós outra vez (3 Néfi 17:3, grifo do autor).

Há muitos anos, quando servi em um bispado, frequentava o templo com regularidade; mas, um dia, senti-me reprovado pelo Senhor por não estar aprendendo. Voltei para casa e entreguei-me ao processo do arrependimento. Quando voltei ao templo, semanas mais tarde, com um novo padrão de adoração, tudo começou a mudar em minha vida. Em tudo que eu olhava havia um novo significado: o jardim não era apenas um jardim, e a água da fonte que jorrava me dava uma compreensão maior da verdadeira fonte de água viva e dos ensinamentos do Mestre.

Sobre os umbrais das portas, os dizeres "Santidade ao Senhor" ecoavam profundamente em minha alma. Os anos se passaram, e jamais entrei e saí do templo sem que tivesse recebido mais conhecimento, sem que minha visão tivesse aumentado ou sem que a luz divina tivesse expandido a minha mente e o meu coração. Testifico-lhes que o Senhor fala muito mais vezes do que estamos prontos para ouvi-Lo.

Em Doutrina e Convênios, o Senhor nos ensina esses mesmos princípios, quando diz: "E também, em verdade vos digo, meus amigos: Deixo-vos estas palavras para que pondereis em vosso coração com este mandamento que vos dou de que me invoqueis enquanto estou perto - Achegai-vos a mim e achegar-me-ei a vós; procurai-me diligentemente e achar-me-eis; pedi e recebereis; batei e ser-vos-á aberto. Tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome vos será dado, se for para vosso bem" (D&C 88:62-64).

Da mesma forma, o Senhor iniciou esta última dispensação abrindo o céu e revelando as verdades eternas e as ordenanças que havia muito tempo estavam retidas para a plenitude dos tempos, até que um jovem, com um coração sincero e puro e com desejo e necessidade de encontrar qual era a verdadeira Igreja na Terra, orou com fé perfeita. Mais uma vez, o Senhor Se revelou a Seus filhos pessoalmente e chamou Joseph Smith como Seu primeiro profeta para organizar o Seu reino pela última vez. E por meio do profeta Joseph Smith, o Senhor declara, pouco mais tarde: "Sim, eis que eu te falarei em tua mente e em teu coração, pelo Espírito Santo que virá sobre ti e que habitará em teu coração" (D&C 8:2), pois Ele é o mesmo ontem, hoje e para sempre; e o caminho está preparado para todos os homens desde a fundação do mundo, caso se arrependam e venham a Ele. Você também pode ouvir a doce voz do Mestre, porque Ele ama você e quer lhe falar.