terça-feira, 26 de outubro de 2010

A Maneira do Senhor É Melhor que a Maneira do Mundo

Élder Stanley G. Ellis - Primeiro Conselheiro na Presidência da Área Brasil (Outubro/2009)

Há muitos que querem e tentam ajudar os necessitados. Pessoas de boa vontade e generosidade dedicam tempo e dinheiro nesse empenho. Muitas fundações gastam milhões, e governos estabelecem impostos e orçamentos para acabar com a pobreza. A maioria das igrejas inclui atividades caritativas em seu programa. Por fim, bilhões e bilhões são gastos para aliviar o sofrimento.

O rei Benjamim, no Livro de Mórmon, ensinou-nos que devemos, todos nós, ser generosos com o que Deus nos deu e ajudar os necessitados. Ele nos admoestou que é importante “(…) para [conservarmos] a remissão de [nossos] pecados, dia a dia (…) que [repartamos nossos] bens com os pobres, cada um de acordo com o que possui (…) E [vejamos] que todas estas coisas sejam feitas com sabedoria e ordem (…) (Mosias 4:26–27).

As escrituras nos trazem o relato de períodos em que o povo teve grande sucesso em cuidar dos necessitados, como o da Cidade de Enoque: “E o Senhor chamou seu povo Sião, porque eram unos de coração e vontade e viviam em retidão; e não havia pobres entre eles” (Moisés 7:18; ver também 4 Néfi 1:2–3).

O que significa “coisas feitas com sabedoria e ordem”? Qual é o segredo de doar de modo a alcançar sucesso? Existe alguma forma de cuidar dos necessitados “em retidão”, à maneira do Senhor?

A Lei do Jejum
A maneira do Senhor se baseia na Lei do Jejum. O jejum, na verdade, fortalece-nos fisicamente. Faz bem para o corpo. No mundo moderno, tendemos a ser um povo glutão: comemos em demasia. O jejum também nos ajuda a desenvolver mais autocontrole.

Somos fortalecidos espiritualmente pelo jejum. Isaías nos ensinou que o Senhor escolheu o jejum que “solte as ligaduras da impiedade, que desfaça as ataduras do jugo e que deixe livres os oprimidos, e despedace todo o jugo”. E logo a seguir, o Senhor promete: “Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do Senhor será a tua retaguarda. Então clamarás, e o Senhor te responderá; gritarás, e ele dirá: Eisme aqui” (Isaías 58:6, 8–9).

O Salvador ensinou a Seus discípulos que o jejum acrescenta poder a suas orações ao terem de lidar contra o mal (ver Mateus 17:21). Foi o jejum que deu mais poder e autoridade aos filhos de Mosias durante sua missão entre os lamanitas (ver Alma 17:2–3).

As Ofertas de Jejum Proveem aos Necessitados
Na Igreja do Senhor, jejuamos uma vez por mês no “Domingo de Jejum”, deixando de comer e de beber por duas refeições (24 horas). Então, fazemos a doação à Igreja no valor correspondente a essas duas refeições, como oferta de jejum. O fundo assim composto é usado pelo bispo ou pelo presidente do ramo para ajudar os pobres e necessitados, à maneira do Senhor. Uma vez que só doamos aquilo que economizamos por não ter comido duas refeições, a oferta de jejum não nos acrescenta nenhum gasto extra. Dessa forma, todos podem e devem participar da doação das ofertas de jejum.

Mesmo o membro que tem poucas posses pode ajudar outras pessoas doando somente o valor que teria gastado. Ajudar os necessitados gera um bom sentimento. Os membros que têm mais condição podem fazer ofertas mais generosas (o Presidente Kimball sugeriu “muito mais” para aqueles que têm mais recursos). Aqui no Brasil, deveríamos ter 100% de participação na doação de ofertas de jejum.

O fundo das ofertas de jejum, destinado a ajudar os necessitados, é usado exclusivamente para dar assistência. Não há despesas administrativas, não é gerado nenhum gasto administrativo. Que modo maravilhoso de prover o necessitado! Os que doam são abençoados física e espiritualmente por jejuar, sem nenhuma despesa extra. Quando os que recebem são ajudados à maneira do Senhor, são abençoados com sustância, o essencial para a vida, mas também com mais esperança, fé, confiança e amor por seu Senhor e pelos santos ao seu redor.

À Maneira do Senhor
Quando fazemos as coisas à maneira do Senhor, todos os envolvidos são abençoados. Se isso é feito de outra maneira, não temos promessa alguma. Nesse contexto, o alicerce para a maneira do Senhor é que cada um de nós seja material e espiritualmente autossuficiente. A autossuficiência é definida como a capacidade, compromisso e esforço de suprir as nossas necessidades vitais e as de nossa família.
Élder Stanley G. Ellis - Primeiro Conselheiro na Presidência da Área Brasil (Outubro/2009)

Podemos ser autossuficientes. Para isso, precisamos assumir o controle de nossos rendimentos e de nossos gastos. No lado dos rendimentos, o Senhor declarou “(…) há bastante e de sobra (…) (D&C 104:17; ver também 14–18). No Brasil, a maior economia da América Latina e uma das maiores do mundo, há trabalho honesto para aqueles que trabalham com afinco e estão sempre aprendendo, estudando e se aperfeiçoando. Ao recebermos uma quantia, primeiro pagamos nosso dízimo honestamente e fazemos nossa generosa oferta de jejum, a fim de que o Senhor nos abençoe para recebermos mais.

Do lado dos gastos ou despesas, precisamos “disciplinar nossos sentimentos” quanto ao que é desejo e ao que é necessidade. O padrão do Senhor é “suficiente para nossas necessidades” e é descrito pelo Élder Robert D. Hales como viver previdente — viver dentro de nosso orçamento (gastar menos do que recebemos), preparando-nos para os altos e baixos da vida economizando para emergências, usando os recursos sabiamente e não sendo perdulários, evitando dívidas em excesso e contentando-nos com o que temos. A Primeira Presidência enfatizou recentemente esses princípios e deu-nos como referência os livretos “Preparar Todas as Coisas Necessárias”.

Nenhuma dessas coisas é fácil. Na verdade, são difíceis. O Senhor nunca nos prometeu que seria fácil, mas sim que seria possível e que valeria a pena.

Ajudar à Maneira do Senhor
Finalmente, o bispo ou o presidente do ramo deve auxiliar os necessitados à maneira do Senhor, também. O princípio básico é ajudarmos as pessoas a ajudar-se a si mesmas. Elas devem assumir a responsabilidade de fazer tudo o que puderem com a ajuda da própria família. Os líderes ajudam a manter a vida, não o estilo de vida. A ajuda das ofertas de jejum é temporária. Aos que recebem ajuda é dada a oportunidade de trabalhar pelo que estão recebendo, dentro de sua capacidade. Dessa forma, o necessitado é fortalecido e capacitado.

O Presidente Ezra Taft Benson comparou, certa vez, a maneira do Senhor à maneira do mundo. “O mundo age de fora para dentro; o Senhor age de dentro para fora. O mundo procura tirar as pessoas da favela; Cristo tira a favela das pessoas e, depois, elas mesmas se retiram da favela. O mundo molda os homens modificando seu ambiente; Cristo modifica os homens, que por sua vez, modificam seu ambiente. O mundo molda o comportamento humano, mas Cristo pode mudar a natureza humana”.

O Presidente J. Reuben Clark disse que o objetivo de longo prazo do plano de bem-estar (do Senhor) é a edificação do caráter nos membros da Igreja, doadores e recebedores (citado em Providing in the Lord’s Way, prefácio).

Como testemunha especial, testifico-lhes que a maneira do Senhor é melhor que a maneira do mundo. A maneira do Senhor abençoa todos os envolvidos. Se isso for feito de outra maneira, não temos promessa alguma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário