segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Decisões

Élder Robert R. Steuer - Presidente da Área Brasil Norte (Setembro/2005)

Muitas decisões não são fáceis e, às vezes, achamos que seremos mais livres e não teremos obrigação alguma, se simplesmente não nos decidirmos. Mas o fato de ser ambíguos, de evitar decisões ou tomá-las com indiferença desvia-nos da verdade e do progresso individual. Reconhecer e seguir a verdade é o caminho da integridade e da verdadeira liberdade pessoal. E é com base nessa verdade, sobre a qual Jesus disse que nos tornaria livres, que o Senhor quer que tomemos decisões sábias e que assumamos compromissos. Conforme Ele disse a João, o Revelador: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz. (…) Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. (…) Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca”1

Há momentos em que muitos gostariam de acreditar que só existem verdades “relativas”. O Élder Russell M. Nelson disse: “É claro que a verdade não é ‘relativa’. Só a compreensão humana da verdade é ‘relativa’. Mas a verdade proclamada pela Deidade é tão absoluta quanto a própria Deidade, que definiu tal verdade como sendo o ‘conhecimento das coisas como elas são, como foram e como serão’” 2. As verdades não podem ser discutidas, redefinidas nem corrigidas. O Presidente Spencer W. Kimball observou: “Se os quatro bilhões de pessoas no mundo acreditassem que ele [o mundo] é plano, estariam erradas. Essa é uma verdade absoluta e nem todas as discussões do mundo a mudariam” 3. Ao falar sobre os Dez Mandamentos, o Élder Neal A. Maxwell explicou: “Somos, evidentemente, livres para obedecer — ou não — a esses mandamentos. Não temos liberdade para tentar corrigi-los, por exemplo: ‘Não cometerás adultério, exceto se for entre adultos de comum acordo’. (…) É preferível que queiramos as conseqüências daquilo em que acreditamos ou não acreditamos, porque as conseqüências certamente virão” 4. Há recompensas por nossa obediência e punições por nossa desobediência ou “(…) Deus deixaria de ser Deus” 5.

O Apóstolo Paulo descreveu nossa época assim: “Nos últimos dias (…) haverá homens amantes de si mesmos. (…) Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade” 6. Aprender sempre pode ser interessante, mas não podemos experimentar cada canto intrigante da vida. Somos lembrados de que não é uma questão de se aceitaremos a verdade divina, mas sim uma questão de quando 7. Aprendemos que “(…) se dobre todo o joelho (…) e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor (…)” 8, e que não há nenhum outro caminho ou meio pelo qual a salvação seja concedida aos homens 9.

Quando compreendemos e aceitamos os princípios verdadeiros, nossas decisões se tornam mais claras e menos confusas. Mas é importante saber que “(…) os tesouros tanto do conhecimento secular quanto do espiritual estão escondidos (…) escondidos daqueles que não o buscam nem se esforçam por encontrá-los da maneira apropriada. (…) O conhecimento espiritual não fica à disposição se simplesmente for pedido; nem mesmo orações serão suficientes. Ele requer persistência e dedicação na vida da pessoa (…)” 10. Ponderação, exame, inspeção, estudo, experimentação e reflexão11 também fazem parte do preço a ser pago para encontrar esse conhecimento espiritual. Quando descobrimos esses tesouros, só então reconhecemos e valorizamos corretamente a inspiração do Senhor em nossa vida, o que nos motiva ainda mais. Como disse o Élder Russell M. Nelson: “Existem poucas recompensas tão estimulantes quanto a descoberta da verdade” 12.

Assim, a aceitação das verdades pode tornar-nos livres 13: livres da ambivalência, da ambigüidade, das tentativas, desculpas e da ignorância. Aceitar as verdades exige a obediência aos sentimentos do Espírito, autodisciplina e coragem para viver o que é certo. “Exigirá o mesmo tipo de coragem que os espartanos demonstraram, quando tenazmente defenderam um desfiladeiro na montanha contra um número esmagador de persas. Foi dito aos espartanos que se não desistissem, os arqueiros do exército persa, que eram muitos, escureceriam os céus com suas flechas. Diante do ultimato, os espartanos disseram simplesmente: ‘Quanto mais, melhor: lutaremos no escuro!’” 14

Com esse tipo de coragem, podemos aceitar um princípio verdadeiro como ele realmente é: “É o que é”, sem debates, sem evasivas nem hesitação. Dessa maneira, ao seguirmos a inspiração do Espírito Santo, encontraremos soluções 15 e utilizaremos sabiamente nosso precioso dom do tempo. O poder na verdade confere compromisso total a nossa vida, e clareza para nossas decisões, dando-nos a certeza de que o curso de nossa vida está de acordo com a vontade de Deus 16.

NOTAS
1. Apocalipse 3:13–16.
2. Russell M. Nelson, “Truth—and More”, Ensign, janeiro de 1986, p. 69.
3. Spencer W. Kimball, “Absolute Truth”, Ensign, setembro de 1978, p. 3.
4. Neal A. Maxwell, “The Prohibitive Costs of a Value-free Society”, Ensign, outubro de 1978, p. 52.
5. Ver Alma 42:16–22.
6. II Timóteo 3:1–7.
7. Spencer W. Kimball, “Absolute Truth”, Ensign, setembro de 1978, p. 3.
8. Ver Filipenses 2:10–11.
9. Ver Mosias 3:17.
10. The Teachings of Spencer W. Kimball, pp. 389–390.
11. Richard G. Scott, “Acquiring Spiritual Knowledge”, Ensign, novembro de 1993, p. 86.
12. Russell M. Nelson, “Truth—and More”, Ensign, janeiro de 1986, p. 69.
13. Ver João 8:32.
14. Neal A. Maxwell, “The Prohibitive Costs of a Value-free Society”, Ensign, outubro de 1978, p. 52.
15. Ver Morôni 10:5.
16. Joseph Smith, comp. de Lectures on Faith, [2000], p. 39.

Artigo extraido de http://www.lds.org.br/brz_mn_show.asp?v_section=5&v_codi=7&v_mask=AKLPORDART

Nenhum comentário:

Postar um comentário