sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Experiências Especiais


Elder Ronald A. Rasband
Da Presidência dos Setenta
Nossa jornada na vida nos proporciona muitas experiências especiais que se tornam blocos de sustentação para nossa fé e testemunho.
Élder Ronald A. RasbandGostaria de prestar também meu testemunho e testificar, neste dia especial, que o Presidente Thomas S. Monson é o profeta do Senhor na Terra. Agradeço o privilégio de falar em uma conferência geral.
Sou grato, como vocês, pela experiência que temos nesta conferência histórica de apoiar, de maneira disciplinada e padronizada, o nosso novo profeta, a Primeira Presidência e os demais líderes da Igreja.
Esse tipo de experiência fortalece nosso testemunho e aumenta nossa fé no conhecimento de que esta é realmente a Igreja verdadeira e viva do Senhor.
Nossa jornada na vida nos proporciona muitas experiências especiais que se tornam blocos de sustentação para a nossa fé e testemunho. Essas experiências chegam a nós das mais variadas formas e em épocas imprevisíveis. Podem ser eventos marcantes e espirituais ou momentos esclarecedores. Algumas experiências virão na forma de grandes desafios e provações difíceis que testam nossa capacidade de lidar com eles. Qualquer que seja a experiência, cada uma nos proporciona a chance de crescer espiritualmente, adquirir mais sabedoria e, em muitos casos, servir aos outros com mais empatia e amor. Como declarou o Senhor ao Profeta Joseph Smith para restaurar-lhe a confiança durante um dos seus momentos de provação mais significativos na cadeia de Liberty: “Todas essas coisas te servirão de experiência e serão para o teu bem” (D&C 122:7).
À medida que as experiências se acumulam em nossa vida, elas fortalecem e apóiam umas às outras. Assim como os blocos de cimento em nossa casa sustentam o restante da estrutura, também nossas experiências pessoais tornam-se blocos de sustentação para nosso testemunho e aumentam nossa fé em Jesus Cristo.
Esta sessão da conferência ilustra o valor de uma vida cheia de experiências. Ao seguirmos os sábios conselhos de nossos líderes e nos maravilharmos com seus ensinamentos e espírito, seria de se admirar que o Senhor escolhesse Seu apóstolo mais antigo, após anos de preparação, para tornar-se Seu profeta?
Minha bênção patriarcal diz que eu teria experiências especiais que fortaleceriam meu próprio testemunho. Irmãos e irmãs, pensem nas experiências especiais com as quais foram abençoados na vida e que lhes trouxeram convicção e alegria ao coração. Lembram-se de quando sentiram pela primeira vez que Joseph Smith era o Profeta da Restauração escolhido por Deus? Lembram-se de quando aceitaram o desafio de Morôni e compreenderam que o Livro de Mórmon era realmente um outro testamento de Jesus Cristo? Lembram-se de quando receberam uma resposta a uma oração fervorosa e perceberam que o Pai Celestial conhece vocês pessoalmente e os amam? Ao refletirem sobre essas experiências especiais, isso não lhes despertam gratidão e força de vontade para seguir em frente com fé e determinação renovadas?
Não muito tempo atrás, minha mulher e eu tivemos uma experiência que jamais esqueceremos. Fui chamado para presidir duas conferências de estaca no Peru. Durante nossa estada, fomos à cidade de Puno, no alto dos Andes, às margens do Lago Titicaca. A 12.000 pés (3.600m) acima do nível do mar, ficamos fascinados pela simplicidade e beleza da cidade a essa altitude, junto ao lago andino. Reunimo-nos com os presidentes de estaca da área e tivemos um maravilhoso serão para a juventude com centenas de jovens da área de Puno.
Certa manhã, fomos convidados a visitar um pequeno grupo de membros que vivia nas ilhas flutuantes de junco do Lago Titicaca. As pessoas que vivem nesses locais são conhecidas como os índios Uros da Bolívia e do Peru.
Soubemos que um pequeno grupo de famílias da Igreja havia-se reunido para construir sua própria pequena ilha flutuante. Ficamos entusiasmados e fomos de barco até a ilha, onde fomos saudados calorosamente por esses membros maravilhosos.
Seguramos seus bebês enrolados nos mais lindos cobertores coloridos feitos à mão. Comemos o peixe que haviam pescado naquele mesmo dia no lago, preparado com todo o cuidado e servido generosamente. Vimos seus utensílios e artesanatos e trocamos presentes.
Em nossa visita, soubemos que os seus filhos tinham que remar 45 minutos, ida e volta, para ir à escola e ao seminário em Puno todos os dias. Também ficamos felizes porque aqueles membros conheciam bem as escrituras, compreendiam e amavam-nas. Eles nos mostraram com entusiasmo sua recomendação para o templo, pois tinham recebido sua investidura e tinham sido selados no Templo de Cochabamba Bolívia.
Antes de irmos embora, uma mãe perguntou se poderíamos ajoelhar-nos com eles para fazer uma oração familiar. Lembro-me de quando nos ajoelhamos nos juncos macios com aqueles santos fiéis. Aos nos ajoelharmos, a mãe pediu-me que fizesse uma oração para dedicar a nova ilha e a casa pelo poder do Sacerdócio de Melquisedeque.
Senti-me profundamente humilde naquela ilha de juncos flutuantes no Lago Titicaca, com as famílias de fiéis santos dos últimos dias, e por ter sido convidado a fazer uma oração pela pequena Ilha de Apu Inti pedindo ao Senhor que abençoasse a casa da família Lujano e a da família Jallahui.
Ao pensar nessa experiência especial com a qual o Senhor nos abençoou, sei que um novo bloco de sustentação foi acrescentado a minha casa da fé. Penso muito nessa experiência em Puno como outro lembrete de que minha bênção patriarcal está sendo cumprida.
No prefácio de Doutrina e Convênios, escrito em 1831, prevendo a expansão da obra do Senhor em nossos dias, o Senhor revelou:
“Que todo homem, porém, fale em nome de Deus, o Senhor, sim, o Salvador do mundo;
Para que a fé também aumente na Terra;
Para que o meu eterno convênio seja estabelecido;
Para que a plenitude do meu evangelho seja proclamada pelos fracos e pelos simples aos confins da Terra” (D&C 1:20–23).
Irmãos e irmãs, os membros da Igreja, fracos e simples , como vocês e eu, estão levando o evangelho até os confins da Terra, a Puno, Peru, e a outros lugares distantes. A fé cresce entre o povo do convênio de Deus, e acredito que, tendo um tesouro pessoal de experiências ricas como essas, podemos aumentar a fé de cada um de nós.
O Presidente Monson disse: “[O Senhor ordenará]. E aos que Lhe obedecerem, quer sejam pessoas sábias ou simples, Ele Se revelará no trabalho árduo, nos conflitos e nos sofrimentos pelos quais passarem ao se ligarem a Ele e (…) aprenderão por sua própria experiência quem Ele é” (“A Maneira do Mestre”, A Liahona, janeiro de 2003, p. 7; citando Albert Schweitzer, The Quest of the Historical Jesus [1948], p. 401; grifo do autor).
Nesta época de intrusões mundanas em nossa vida, em que as provações e dificuldades parecem-nos engolfar, lembremo-nos de nossas próprias experiências espirituais e especiais. Esses blocos de sustentação de nossa fé nos trarão a convicção e a segurança de um Pai Celestial zeloso e amoroso, de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo e de Sua Igreja restaurada, verdadeira e viva. Disso testifico, em nome de Jesus Cristo. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário